Memória de Elefante

Eu realmente não sabia o que esperar de Memória de Elefante, a HQ do Caeto, que saiu no final de 2010 pelo selo Quadrinhos na Cia, da Companhia das Letras.

E as primeiras das 230 páginas dão a impressão que é mais uma história sobre um artista tentando se virar numa cidade grande e passando por perrengues como falta de grana e moradia enquanto enche a cara e tenta se dar bem com as mulheres.

Nisso até se sai bem, mas fica aquela sensação de “ta, agora me mostre algo que eu já não tenha visto antes”. E ele mostra.

O que no começo parece apenas falta de sorte de um cara de classe média, aos poucos é “explicado”.

Ele não tenta justificar suas falhas com os problemas entre seu pai, que é um caso bem mais complicado do que é possível explicar aqui em poucas linhas (e que vale a pena ver na HQ). Mas todas as fontes de seus problemas aparecem claramente, num interessante jogo de ação/reação.

No final das contas, Caeto não fica devendo em nada para HQs autobiográficas como Fun Home, de Alison Bechdel, que ganhou um Eisner de melhor obra baseada em fatos em 2007.

Coincidem, inclusive, em pontos como a homossexualidade. O mais engraçado é que a coisa é tratada de modo bem mais escancarado e desencanado por Caeto, mesmo não sendo o assunto principal, como é em Fun Home. O autor parece ter se incomodado muito mais com o fato de ter sido negligenciado pelo pai do que pela falta de pudor e tato dele ao tratar de sua homossexualidade.

A aparente desordem cronológica do álbum dá um ritmo legal ao que ele pretende contar e o tom despretensioso instiga a leitura, assim como o traço – que é simples, mas eficiente.

Sobre a linguagem, que foi apontada por aí como “com alguns erros” e algumas partes onde acontece uma repetição em desenho do que é dito em texto, acredito fazer parte não apenas do estilo do autor, mas de sua formação.

No livro, Caeto conta que não chegou a terminar o colégio e que sempre foi um péssimo aluno. Além de outras consequências que ter tido liberdade em excesso causaram.

Se houve algum porém, ao meu ver, foi no desfecho. Um tanto brusco para algo tão delicado que é contado no desenrolar do final. Mas não vou entrar em maiores detalhes, pois final é final. Sem mais delongas, recomendo!

Uma resposta

  1. kiara, oi.
    que surpresa esbarrar e descobrir que o blog é de uma pseudo-conhecida.

    queria dizer que gostei muito, dos textos, do gosto, da simplicidade.

    apesar de ter achado memória de elefante bastante ruim – acho que só li inteira porque precisei várias vezes matar tempo na cultura e porque enquanto lia, eu mesma estava perdida em busca de teto nesta paulicéia suja. sabe como é né? a gente não resiste a uma empatia.
    mas jamais compararia a bechdel. acho que ao caeto falta profundidade, talvez até maturidade. ele só tem ritmo, nada mais. e além de que, acho o traço feio.

    fora isto, pelo que vejo, compartilhamos em grande maioria dos entusiasmos e paixões (tomine, clowes, coutinho, ware > pra falar dos que eu colocaria asterisco).

    e cadê retalhos? craig thompson não te anima? esquentou meu coração, e olha que já faz tempo.

    é madrugada e eu tenho um trabalho pra terminar. mas né, procrastinar com quadrinhos e internet é sempre lindo e melhor. só queria terminar e dizer que de muitos (muitos!) blogs que vejo por aí sobre quadrinhos, o teu é o que mais conseguiu me falar de perto.

    um beijo. e atualiza mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: